Estudar…E agora?

É sempre com satisfação que se vive a passagem do 1. ° ciclo para o 2.º ciclo, no entanto, esta mudança exige uma grande adaptação uma vez que é a transição que mais diferenças escolares implica.  Há um aumento do número de disciplinas e de professores, normalmente dá-se a mudança para uma escola nova e de maiores dimensões, os horários são diferentes, surgem colegas novos ou outros profissionais educativos… Estas são algumas das diferenças a que as crianças têm de se adaptar e que, para muitas, são bem desafiantes.

Mas para além disto, é acrescentada a ‘pressão’ em estudar. Este ano tens de estudar para tirar boas notas!” ou A brincadeira acabou, agora tens de começar a estudar a sério” são algumas das expressões que as crianças ouvem ou até dizem entre elas!

Neste novo ciclo têm de aprender a organizar o seu tempo de estudo, de forma mais autónoma, com muito mais matérias para estudar, muitas vezes mais trabalhos de casa ou outras atividades académicas.

Por isso, a queixa mais comum entre pais e professores, centra-se nesta dificuldade de organização do estudo e na aquisição de métodos e técnicas de estudo eficazes.

Assim, para facilitar este processo deixamos algumas sugestões que frequentemente trabalhamos no ensino e treino de estratégias de estudo com crianças e jovens. Esperamos que possa ajudar a orientar e estabelecer um bom plano de estudo para este ano letivo!

Gestão e Organização

A organização do estudo implica a definição de objetivos de estudo, a preparação do material necessário, o planeamento das ações, a gestão do tempo e as horas mais adequadas. Esta organização permite ao estudante ter tempo para rever as matérias e estudar com calma. Desta forma, evitamos o estudo intensivo nas vésperas do teste e a procrastinação na entrega de trabalhos, diminuindo assim a ansiedade no momento de avaliação. Facilitamos esta gestão quando: 1) utilizamos um horário de estudo que inclua também atividades extracurriculares e momentos de relaxamento; 2) construímos um calendário com datas dos testes e trabalhos; 3) elaboramos um plano de estudo semanal e diário, que especifique os objetivos de estudo para aquele momento e avaliamos diariamente o cumprimento desse plano.

Condições ambientais durante o estudo

O espaço onde decorre o estudo deve ter boa iluminação e ventilação, temperatura agradável, mobiliário adequado ao estudo e às características físicas do estudante, ter o material de estudo necessário para estudar, ser tranquilo, sem ruídos, interrupções ou distrações (televisões, telemóveis). Ao ter estas condições no seu local de estudo, o estudante terá maior facilidade na organização do estudo e também melhor concentração.

Bons apontamentos!

Ter bons apontamentos é a base de um bom estudo. Para fazer apontamentos nas aulas, o estudante necessita de estar atento e compreender o que o professor está a apresentar, selecionar o que é mais importante (por exemplo, factos, datas, nomes, definições, o que o professor escreve no quadro) e registar esses apontamentos de forma sucinta e com boa caligrafia. Com este exercício, o estudante mantém a atenção na aula, melhora a compreensão e a memorização da informação e facilita a posterior organização do estudo.

Estudar: análise de textos

A análise de textos divide-se em três partes: identificar as ideias principais, sublinhar e resumir. Primeiro, o estudante necessita de ler o texto e compreendê-lo bem para poder identificar e sublinhar as ideias principais (definições, datas, palavras-chave) e consequentemente escrever por palavras próprias as frases com essas mesmas ideias e, por fim, iniciar o resumo a partir dessas frases, de forma sucinta, com uma linguagem pessoal e numa sequência de ideias lógica. Os esquemas visuais com a informação resumida podem ser uma boa opção. É importante registar todas as dúvidas que vão surgindo ao longo do estudo, para as esclarecer com o professor, pois é difícil aprender e relembrar uma matéria quando ainda está confusa.

Estudar: resolução de exercícios de matemática

O sucesso na disciplina de matemática exige um esforço diário na resolução de exercícios e na reflexão dos conceitos matemáticos. Antes da resolução, é necessário ler e compreender o capítulo do livro ou os apontamentos da aula referentes à matéria desse exercício. Devemos iniciar pelos exercícios mais simples, repetir os já resolvidos na aula e resolver novos que tenham soluções, que possam ser consultadas no final. Anotar as dúvidas que vão surgindo, para posteriormente esclarecer com o professor é fundamental para garantir um bom estudo!

Preparação antecipada para os testes

Ao preparar-se atempadamente para os testes, os estudantes consolidam melhor os seus conhecimentos, sentem-se mais confiantes e menos pressionados e há uma diminuição da ansiedade no momento da avaliação. Para isso, necessitam registar as datas dos testes num calendário; saber quais as matérias em que vai incidir o teste e o tipo de questões que podem ser colocadas; fazer um plano de estudos que preveja o estudo diário nos cinco a sete dias anteriores ao momento da avaliação; colocar dúvidas que possam surgir e no dia anterior rever a matéria através da leitura de resumos e das notas feitas anteriormente. Pode ser útil resolver perguntas sobre a matéria estudada. Dividir a matéria objeto de estudo ao longo do tempo, de forma realista, vai facilitar a aprendizagem. Um grande volume de matéria pode ser mais assustador e deixar o estudante ansioso e com mais dificuldade de concentração.

Resolução de testes

A realização de teste pode ser um momento gerador de ansiedade que pode levar a bloqueios que impedem a sua realização ou interferem com o desempenho negativamente. Esta situação poderá afetar os resultados.  Assim, o estudante deve ser pontual, verificar antecipadamente se tem o material necessário, prestar atenção às instruções dadas para o teste, poderá ser útil ler rapidamente o teste todo para perceber o tempo que pode demorar e o tipo de perguntas a que tem que dedicar mais atenção e, depois, começar a resolvê-lo, lendo novamente com calma e concentração. Para alguns estudantes resulta melhor começar por responder às perguntas mais fáceis, ir controlando o tempo ao longo do teste e, por fim, revê-lo antes de entregar e verificar sempre se concluiu tudo.

E a motivação para estudar?

A motivação é o fator que leva o estudante a esforçar-se e a persistir quando encontra dificuldades em relação ao estudo e à aprendizagem. De modo que, é um fator muito importante que contribui para o sucesso escolar. A motivação pode ser extrínseca, isto é, a motivação para estudar pode ser criada e mantida através de recompensas oferecidas pelo ato ou esforço aplicado no estudo, mas a motivação intrínseca, que se refere a uma vontade interna de estudar sem essas recompensas imediatas, pode ser igualmente estimulada e ainda mais eficaz. Ou seja, apesar de os estudantes com motivação intrínseca frequentemente apresentarem melhores resultados no estudo, as recompensas podem ser uma forma inicial de estimular para o estudo e gradualmente promover o desenvolvimento do interesse e da vontade para estudar sem o foco da recompensa.

De que forma podemos estimular a motivação? Transmitindo uma imagem atrativa da escola, onde todos podemos conhecer mais sobre o mundo e sobre os outros e partilhar experiências de aprendizagem; ajudando o estudante a refletir sobre a importância de aprender e de como a aprendizagem o levará aos seus objetivos de vida; estimulando o desejo de aprender e o estudo através do reforço do seu empenho e da persistência no estudo. Podemos ainda ajudar a compreender que ninguém se sente motivado para estudar a toda a hora ou sempre e que a maior parte das vezes ficamos motivados depois de começar; desta forma também ajudando o estudante a compreender que é reconhecida a exigência da atividade de estudo! Podemos ainda melhorar a motivação ajudando a definir objetivos académicos que vão aumentar o foco nas tarefas de estudo e ajudando a encontrar uma rotina saudável e equilibrada que vai facilitar os momentos de estudo, respeitando todas as necessidades do estudante incluindo o sono, o lazer, a socialização e os momentos de relaxamento/descanso.

Enfim, todas as pessoas aprendem e estudam de forma diferente, por isso o mais importante é saber identificar as fragilidades e potencialidades de cada estudante, aplicar esse conhecimento no planeamento do estudo e manter uma atitude positiva!

Ana Guedes

Psicóloga Clínica e Educacional

Pós-graduada em Neuroeducação