Terapia Ocupacional

Identifica-se com alguns destes sintomas?


Marque consulta!

“É sobretudo através do “brincar” que o terapeuta ocupacional avalia e intervém. Em paralelo pode utilizar instrumentos estandardizados para avaliar o desenvolvimento global, competências motoras, visuo-percetivas, grafo-motoras ou outras. O brincar é um meio privilegiado para desenvolver as áreas identificadas como mais fracas e valorizar as mais fortes, para que a pessoa aprenda a lidar com os desafios diários do dia-a-dia.”

 
O envolvimento nas diferentes ocupações do dia-a-dia é muito importante para o desenvolvimento da pessoa, sobretudo nos primeiros anos de vida. O terapeuta ocupacional consegue fazer mudanças, potenciando o desenvolvimento de diversas capacidades, no sentido de melhorar o desempenho da pessoa no seu quotidiano e nos seus contextos de vida. Em particular com a criança, intervém em atividades como o jogo (brincar), nas atividades de vida diária (vestir, higiene, alimentação) bem como atividades escolares e interação (quer com pares quer com adultos). O objetivo máximo é o envolvimento da criança em atividades significativas de forma funcional e independente.

O terapeuta ocupacional avalia assim, funções sensoriais, percetivas e sociais da criança, jovem ou adulto, bem como os fatores ambientais que influenciam o seu desempenho das atividades. Através de uma cuidada avaliação, identifica áreas de disfunção e envolve a pessoa e a família num plano de intervenção individualizado de forma a ultrapassar as suas dificuldades.

Através do envolvimento em atividades terapêuticas significativas para a criança, pretende-se potenciar o processamento e integração sensorial, a motricidade global, a motricidade fina, competências para grafomotricidade, a perceção visual, a organização e planeamento motor, competências para atividades de vida diária, a socialização, bem como adaptações nos diversos contextos onde a pessoa está inserida.
 

Valências

A Consulta de Atraso de Desenvolvimento e Perturbação do Espetro do Autismo é especializada em avaliação perante o diagnóstico de Atraso de Desenvolvimento ou Perturbação do Espectro do Autismo; promove através da terapia ocupacional a avaliação sensorial, psicomotora e funcional, para delinear um plano de intervenção e atuar o mais precocemente possível, no contexto de uma equipa multidisciplinar. Esta equipa atua ao nível da intervenção precoce, idade escolar ou na idade adulta, avaliando as necessidades da pessoa e da família, desenvolvendo e implementando um programa terapêutico individualizado de forma a promover todo o seu potencial de desenvolvimento. Esta consulta rege-se pelo princípio do desenvolvimento ao longo do ciclo vital, ajusta-se por isso à especificidade do período da vida da pessoa, oferecendo um conjunto de respostas individualizadas para favorecer o bem-estar emocional e cognitivo e promover a adaptação social, escolar, profissional e ocupacional.
A Consulta de Dificuldades de Alimentação é orientada por uma equipa multidisciplinar (terapeuta da fala, psicólogo, terapeuta ocupacional), que executa uma recolha exaustiva de informações sobre a criança, os seus hábitos alimentares, rotinas da família e aspetos culturais para compreender a problemática existente. Simultaneamente com recurso a diferentes alimentos e estímulos orais específicos, é possível uma avaliação minuciosa do seu perfil alimentar.
É notório que a preocupação com a alimentação das crianças está a aumentar principalmente naquelas que apresentam perturbação de desenvolvimento associada. As dificuldades passam por recusa alimentar, seletividade alimentar (gosto ou aversão por texturas, cores, cheiros, temperaturas ou marcas de alimentos) e ingestão de apenas um tipo de alimento que afetam diretamente o estado nutricional, crescimento e aumento de peso da criança. No entanto, torna-se importante estar atento também às competências oro-motoras que se desenvolvem desde o nascimento quando a criança é amamentada até que adquire padrões de deglutição maduros.
Após uma cuidada análise dos dados recolhidos nos diferentes contextos é realizado um plano de intervenção de acordo com as necessidades da criança e da família.
Esta intervenção é alargada, para além do contexto clínico, aos diversos contexto de vida da criança.